sexta-feira, 15 de maio de 2015

Como identificar alunos com atraso na fala



Durante a aquisição da linguagem a criança passa pelo que chamamos de processos fonológicos, em geral caracterizados pela simplificação da fala do adulto como as trocas de sons e as omissões.
Estes processos vão sendo superados à medida que a criança adquire maior domínio linguístico, mas quando são incompatíveis com a sua idade e dependendo do tipo de "troca" que ela realiza é necessário uma avaliação fonoaudiológica para identificar as causas desse desvio.

Normalmente aos 2,0 anos a criança já é capaz de produzir corretamente palavras com fonemas mais simples como: /p/, /b/, /t/, /d/, /k/, /g/, /m/, /n/, /v/ e /f/. Por exemplo: Pato, Vaca, Gato
Dos 2,0 aos 3,0 anos espera-se que a criança adquira os  fonemas mais complexos como /s/, /z/, /ch/, /j/, /l/ e por volta dos 3,6 anos o R de Rato e Rua começa a ser produzido.
Fonemas mais complexos como /lh/, /r/ (de barata), começam a ser adquiridos a partir dos 4 anos e os encontros consonantais podem ser adquiridos até por volta dos 6 anos e meio.
Se pensarmos então em uma criança de 4 anos que substitui os fonemas /k/ e /g/ por /t/ e /d/ (Por exemplo, diz: “tachorro e tavalo” ao invés de “cachorro e cavalo") é importante encaminhar para uma avaliação fonoaudiológica o mais cedo possível, uma vez que  por volta dos dois anos já se espera que produza os fonemas /k/ e /g/ corretamente.
É muito comum que os pais sejam orientados a aguardar até os 5 anos para que a fala se desenvolva, entretanto esse tempo de espera pode agravar as dificuldades sociais e de aprendizagem da criança e quanto maior a espera mais longo se torna o processo de intervenção.
Outra questão importante são as trocas de fonemas sonoros (que fazem vibrar as pregas vocais) por surdos (que não fazem vibrar as pregas vocais), como por exemplo, dizer:
/ Faca/ ao invés de/ Vaca/;
/Tanone/ ao invés de /Danone/;
/Pola/ ao invés de /Bola/;

Por isso é importante que os educadores observem a fala da criança nas diferentes situações do dia a dia escolar. Na dúvida, converse com os pais e peça uma avaliação fonoaudiológica!

Lembre–se: aos 3 anos a criança já deve apresentar uma fala bastante compreensível apesar de ainda existirem processos a serem superados.

13 comentários:

  1. Gostaria de atividades e outras informações sobre gagueira. Meu filho tem 2anos e 10 meses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Elaine, seja bem vinda! Neste post você tem informações e dicas sobre a gagueira infantil http://fonoemfoco.blogspot.com.br/2012/01/o-que-voce-precisa-saber-sobre-gagueira.html. Abraços!

      Excluir
  2. Olá estou adorando seu blog. Minha filha de 4 anos tem esse atraso na fala.
    E quais exercícios eu posso fazer para em casa, para ajudá-la ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Janaína! O ideal é que você procure um profissional para valiar que tipo de atraso a sua filha apresenta e qual a melhor estratégia pra auxiliá-la. Você pode ajudá-la a perceber que há alguma diferença entre a fala dela e a sua enfatizando a palavra onde as trocas aparecem e confirmando a forma de falar, oferecendo o modelo correto. Essa estrategia auxilia, mas não substitui o tratamento, principalmente se forem muitas trocas, ok? Abraços e obrigada pela visita!

      Excluir
  3. Olá! Adorei o blog, e esse post especialmente. Sou evangelizadora, atualmente minha turma só tem uma aluna, o que tem me possibilitado dar bastante atenção a ela, inclusive estou dando lições de alfabetização. É uma menina de 6 anos, de uma família extremamente carente. Percebo que ela fala muita coisa errada, e quando tento ajudá-la, vejo muita dificuldade. Por exemplo, ela não consegue pronunciar o som do R, principalmente em palavras como "estrela, barata, caracol", geralmente ela substitui pelo som do L. O que posso fazer para ajudá-la? Seria necessário o encaminhamento para uma fonoaudióloga?

    ResponderExcluir
  4. Ei Marília, fico feliz que tenha gostado do blog! Sobre a sua aluna é importante sim realizar uma avaliação fonoaudiológica para identificar o motivo dessas trocas e receber as orientações mais adequadas. De um modo geral, procure sempre oferecer um modelo de fala correto, enfatizando a pronuncia correta para que ela perceba a diferença e tente se autocorrigir. Caso ela não consiga perceber e modificar o seu padrao de fala pode ser necessário um acompanhamento fonoaudiológico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por responder! Vou seguir suas dicas. Abraço!

      Excluir
  5. Olá, meu nome é Eliane ,tenho um neto q ainda não fala direito!Ele tem muita dificuldade de se expressar. As vezes me chama de Cocó o avô, ele chama de Cocô e a bisa,ele chama de Bica !!!
    As vezes ele tem a própria linguagem dele ,inventa nomes p/coisas q ele não sabe falar .Mas chama mama e papai da tchau ,fala tchau, ele pede água , falando , campei, campei ,aí a mãe sabe q ele quer água .
    Eu me assusto com o temperamento dele as vezes , quando ele quer algo q não pode ,ele grita muito fica gritando aaaaaaaa sem parar ,se , se joga no chão e grita até sem motivos !!!!
    Pedi p/minha filha leva-lo a fono,mas ainda não conseguiu !!minha filha colocou ele na escola,ele vai todos os dias esta melhorandonum pouco ,ensaia as músicas ,mas na hora de dança e em público ele é o único q não dança com vergonha talvez.
    No parto ele nasceu parado com muitas complicações ,ficou na UTI 6 dias e depois teve alta.fizemos o teste do pezinho e da orelhinha e não deu nada.
    Ele é muito esperto entende tudo q pedimos !!!mas tenho uma preocupação ,será q ele é autista ou tem algum problema?! Por favor vc pode me responder ,como devo ajudar minha filha ?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eliane, obrigada pela mensagem! É muito importante que sua filha busque uma avaliação fonoaudiológica. As trocas na fala que você relata me sugerem uma dificuldade na discriminação dos sons de fala,possivelmente ele não consegue perceber a diferença entre cocô e vovô. As questões comportamentais podem ser devidas à dificuldade de comunicação. De qualquer forma é necessário uma avaliação detalhada para entender a dificuldade do seu neto e propor as melhores estrategias para auxiliá-lo, além disso é através dela que será possível realizar um diagnóstico diferencial.

      Excluir
  6. Olá, tenho um filho de quatro anos e ele ainda não sabe contar experiências vividas no dia. quando fazemos uma pergunta ele responde com a mesma pergunta, não se comporta na escola e não estabelece comunicação nenhuma com a professora e seus colegas. Possui dificuldade até para perguntas simples como responder seu nome e sua idade. Me ajude o que posso fazer para ajudá-lo a desenvolver sua comunicação? será que ele possui alguma deficiência? me ajude por favor. Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Diante das características que você descreve é importante buscar uma avaliação profissional. Estas dificuldades não são comuns nessa idade, então é importante entender a razão destas, para então pensar em como auxiliá-lo a se comunicar.

      Excluir
  7. Ola boa noite! Meu filho tem quase 6 anos e ainda tem dificuldades p pronunciar a letra l e o r no meio de palavras! Como VC vê a situação dele? Seria necessário recorrer ao fono?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Joana! Sim, é importante realizar uma avaliação.

      Excluir